Não é uma lista exaustiva. Reúne espectáculos e acontecimentos culturais que envolvem portugueses ou terão lugar em Portugal. São propostas de temática queer, ainda que algumas estejam inéditas e possam mais tarde indicar outras leituras.

Manuel Teixeira-Gomes a 5 de Janeiro

Depois do circuito dos festivais de cinema, o filme Zeus, de Paulo Filipe Monteiro, tem estreia comercial a 5 de Janeiro em salas de Portimão, Almada, Lisboa, Cascais, Coimbra e Porto, entre outras localidades.

Biografia de Manuel Texeira-Gomes, presidente da República entre 1923 e 1925, está dividida em três blocos. “O bloco da presidência, escuro, claustrofóbico; o da Argélia, solar; o do romance algarvio, inspirado em Matisse”, escreveu Paulo Filipe Monteiro no Facebook.  Cada bloco teve um director de fotografia: João Ribeiro, Mário Castanheira e Vasco Viana.

Empresário, diplomata e escritor, Teixeira-Gomes (1860-1941) criou das mais belas prosas de cariz homoerótico da literatura portuguesa.

Pedro em Sundance a 20 de Janeiro

A curta-metragem Pedro [na foto], da dupla portuguesa André Santos e Marco Leão, vai estrear-se a 20 de Janeiro no festival de cinema independente de Sundance, nos EUA (que decorre entre os dias 19 e 29).

O filme está a concurso na secção internacional de curtas e será objecto de várias projecções ao longo do evento.

Filipe Abreu, Rita Durão, João Villas-Boas e Marcello Urgeghe são os protagonistas da história – assim descrita na sinopse: “Pedro regressa a casa pela madrugada. Antes que o jovem rapaz consiga adormecer, a sua mãe solitária arrasta-o para a praia.”

Distribuído pela agência Portugal Film, ligada ao festival IndieLisboa, teve estreia mundial em Julho de 2016 no Curtas Vila do Conde. Em Setembro último foi exibido no Queer Lisboa.

Vanessa vai à Luta a 19 de Janeiro

Descrita como “comédia para toda a família” que “questiona os papéis tradicionais de homem e mulher”, a peça Vanessa vai à Luta estreia-se a 19 de Janeiro no Teatro da Trindade, em Lisboa (até ao dia 22).

Baseia-se no livro homónimo de Luísa Costa Gomes. A luta da personagem é a de “perceber porque é que as pessoas pensam que há coisas próprias de meninas e coisas próprias de rapazes e se sempre foi assim e se tem mesmo de ser assim”, diz a sinopse.

Uma encenação de António Pires, com interpretações de Carolina Campanela, Cátia Nunes, Hugo Mestre Amaro e João Veloso. E ainda a participação especial de Julie Sergeant.

Amália por La Féria a 9 de Fevereiro

“Amália — o Musical” regressa a Lisboa a 9 de Fevereiro, desta vez no Teatro Politeama. O espectáculo de homenagem à fadista Amália Rodrigues, considerada um ícone gay, foi escrito e encenado por Filipe La Féria.

Estreou-se em 1999, no Casino do Funchal, na Madeira, e conheceu depois uma digressão nacional e internacional, com mais de 1300 apresentações. Segundo Filipe la Féria, o musical terá agora uma “nova versão”, mas com todo o elenco original: Alexandra, Anabela, Liana, Carlos Quintas, Tiago Diogo, entre outros intérpretes.

Os bilhetes começaram a ser vendidos a 3 de Janeiro e custam entre 10 e 30 euros.

Filme sobre Al Berto

A longa-metragem biográfica sobre o poeta Al Berto (1948-1997) deverá estrear-se este ano, em data a anunciar. Realizada por Vicente Alves do Ó, aborda o regresso de Al Berto a Portugal após o exílio em Bruxelas entre 1967 e 1974.

As filmagens decorreram em Outubro e Novembro de 2016, em Lisboa e em Sines, vila onde o coimbrão Al Berto passou a infância e a adolescência.

Al Berto, pseudónimo literário de Alberto Raposo Pidwell Tavares, foi precursor na utilização da linguagem queer na literatura portuguesa, o que está patente nos volumes de poesia que deixou, assim como no romance Lunário (1988). Morreu vítima de sida.

Biografia de António Variações

Também em data incerta, mas ainda este ano, será reeditada uma nova versão do livro António Variações – Entre Braga e Nova Iorque, da jornalista e escritora Manuela Gonzaga.

Publicado em 2006 pela Âncora Editora, é o único relato biográfico extenso alguma vez feito sobre o cantor. Resulta de investigação própria e inclui depoimentos originais, com a particularidade de a autora ter sido amiga íntima de Variações.

A notícia da reedição encontra-se há várias semanas no blogue de Manuela Gonzaga. “Está a saber-me tão bem reescrever, acrescentar e preparar a biografia que a editora Bertrand vai relançar em 2017”, escreveu, acrescentando que vai entrevistar pessoas que também conheceram o cantor e às quais não teve acesso quando da escrita do livro de 2006.

Bruno Horta

 

Anúncios