O festival de cinema independente IndieLisboa apresenta este ano uma retrospectiva do realizador francês Jean-Gabriel Périot, cujo trabalho é descrito como uma reflexão sobre políticas e identidades.

“Se os seus filmes são políticos de uma forma activista, certo é também que o humor e a ironia são uma constante nos seus trabalhos: especialmente naqueles em que o seu activismo LGBT se manifesta, questionando provocantemente a normalização da homossexualidade, o desejo de integração, a intimidade, a aparência, a modificação do próprio corpo e os limites da esfera do privado e do público”, refere uma nota distribuída pela organização do festival.

A programação completa do IndieLisboa foi apresentada esta terça-feira, 22, em conferência de imprensa. O festival decorrerá entre 20 de Abril e 1 de Maio no cinema São Jorge, na Culturgest, no Cinema Ideal e na Cinemateca Portuguesa.

A retrospectiva Périot faz parte da secção Silvestre que o festival dedica a “obras de jovens cineastas e autores consagrados cuja rebeldia espelhe o espírito” do Indie.

“Política e intimidade articulam-se de forma singular no trabalho deste cineasta francês através de um rigoroso trabalho de arqueologia visual com uma forte dimensão experimental”, qualifica o IndieLisboa, destacando igualmente o principal método de trabalho de Périot: found footage e imagens de arquivo.

Gay?, de 2000, é uma das curtas que o festival irá mostrar:

“Jean-Gabriel Périot não reivindica a condição de cineasta militante, mas político. Não guia o espectador, deixa que este tome as suas conclusões, depois de se confrontar com contradições, as aporias, os paradoxos que as imagens sugerem”, lê-se numa crítica do jornal Público, publicada no ano passado, quando o Indie passou a curta Regarder les Morts (2011).

O realizador será um dos convidados do festival.

Bruno Horta

 

Anúncios